Pular para o conteúdo
Anúncio
Início » Como Funciona um Consórcio – Atualizado 2023

Como Funciona um Consórcio – Atualizado 2023

Como funciona um consórcio?

Anúncio

Quantas vezes você já viu uma propaganda de um consórcio e não soube o que era? Ou como funciona?

E se eu te disser que é mais simples do que você imagina

Parece mentira não é mesmo?

Neste artigo você aprendera de uma vez por todas tudo sobre consórcio

Anúncio

Vou te mostrar exatamente como:

  • Funciona um consórcio
  • O que é um consórcio
  • O que é um lance de consórcio
  • O que é contemplação
  • Consórcio sofre reajustes?

Olha só:

Pessoas que não possuem recursos próprios para comprar um bem, como um carro, uma moto ou uma casa, podem recorrer ao consórcio.

Então, essa modalidade de financiamento funciona com base em grupos de pessoas que se juntam para formar uma poupança comum. As prestações são divididas entre os participantes, conforme o valor do bem ou serviço desejado.

A lógica do consórcio é simples, mas é importante entender algumas peculiaridades antes de contratar. Por exemplo, há diferentes prazos de pagamento e as contemplações podem ocorrer por sorteio ou por lance.

Então é importante entender esses detalhes para escolher a modalidade que melhor se adapta às suas necessidades.

Como funciona um consórcio?

Para comprar um bem ou serviço, um grupo de pessoas se une e forma um fundo comum.

Então, também é possível dar lances no valor do bem ou serviço. O maior lance vence o sorteio.

Para participar de um consórcio, é preciso assinar um contrato com a administradora. O contrato deve conter todas as regras do consórcio, como o objeto, o prazo, o número de parcelas, as taxas, entre outros.

como funciona um consórcio

Grupo de consórcio o que é?

Um grupo de consórcio é composto por pessoas físicas ou jurídicas que se unem com o propósito de contribuir financeiramente, por meio de pagamentos periódicos, a fim de criar um fundo coletivo para aquisição de bens ou serviços desejados por todos os membros.

Um participante pode ingressar em um grupo que está em processo de formação ou já em andamento. No primeiro cenário, a administradora continua buscando interessados, e a formalização do grupo ocorre na primeira assembleia-geral ordinária. É importante destacar que o interesse coletivo prevalece sobre o individual.

Segundo a Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac), a administradora tem um prazo de 90 dias, a partir da assinatura do contrato pelo participante, para estabelecer o grupo.

Caso isso não aconteça, a empresa deve reembolsar o valor pago pelo interessado, acrescido de rendimentos. O dinheiro do consórcio é investido em aplicações financeiras determinadas pela administradora, seguindo critérios estabelecidos pelo Banco Central.

No segundo cenário, é possível entrar em um grupo já formado de duas maneiras: quando há uma cota disponível, ou seja, que ainda não foi vendida, ou por meio da transferência de cota.

A cota disponível precisa ser negociada com a administradora, e o novo participante deve quitar o valor das parcelas já pagas pelos demais membros.

No caso da transferência, a cota é transferida de um indivíduo para outro, com a aprovação da administradora. A venda, no entanto, é realizada pelo próprio consorciado. No entanto, ele pode delegar essa tarefa a terceiros, inclusive à empresa que gerencia o consórcio.

É possível transferir uma cota, por exemplo, se o participante não desejar mais continuar ou não puder mais arcar com os pagamentos das parcelas.

Como funciona um consórcio: o que é um lance?

Mas, o lance representa um pagamento antecipado de parcelas que um membro do consórcio pode oferecer durante uma assembleia para acelerar sua contemplação.

Então, isso segue uma lógica semelhante a um leilão, onde a pessoa que oferece o lance mais alto ganha o direito de receber o bem, mesmo sem ter sido escolhida por sorteio.

Não há um valor máximo estabelecido para o lance, embora a administradora possa definir um valor mínimo no contrato.

A definição dos lances ocorre durante a assembleia-geral do consórcio, após os sorteios. A administradora precisa avaliar o saldo restante no fundo, após deduzir os créditos sorteados.

Então, quando um lance é aceito, ele é deduzido do saldo devedor do consórcio, reduzindo a quantidade ou o valor das parcelas a serem pagas.

Mas, em consórcios relacionados a imóveis, é possível utilizar o saldo do FGTS para oferecer um lance, seja para complementar o valor da carta de crédito ou para quitar toda a dívida.

Então as regras para o uso do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço são as mesmas estabelecidas pela Caixa Econômica Federal.

Existe restrição para o valor do meu lance? Não existe restrição legal quanto ao valor de um lance, mas tal limitação pode estar prevista no contrato, os critérios para desempate em situações de múltiplos lances, têm o mesmo valor e não são determinados previamente.

Então, são detalhes cruciais a serem avaliados no momento da assinatura do contrato, é importante destacar que o valor mínimo de um lance não pode ultrapassar o montante do saldo devedor, e pode haver também um valor mínimo estabelecido.

O que é um lance embutido?

O lance embutido é quando parte da carta de crédito é utilizada para fazer um lance. Então para exemplificar, considere um consórcio de imóveis com uma carta de crédito de R$ 90 mil.

Suponhamos que um membro do consórcio queira oferecer um lance de R$ 30mil, mas não possui esse valor no momento. Mas nesse cenário, ele pode utilizar os R$ 30 mil da carta de crédito como lance, e quando contemplado, receberá a diferença que neste caso seria de R$60mil.

O percentual sujeito a lance embutido é determinado administradora e pode variar de grupo para grupo, geralmente situando-se entre 20% a 30%.

Contemplação no consórcio oque é?

A contemplação ocorre quando o membro do consórcio recebe a carta de crédito, que lhe permite adquirir o bem ou serviço desejado, por meio de sorteio ou de lance.

Então, uma vez com a carta de crédito em mãos, o contemplado tem a liberdade de efetuar a compra onde preferir.

É importante destacar que o participante tem a flexibilidade de escolher um produto diferente do que o originalmente planejou, contando que seja da mesma categoria.

Por exemplo, em um consórcio de veículos, inicialmente destinado à compra de um carro, o contemplado pode optar por adquirir uma moto.

No caso de serviços, como uma viagem, os recursos programados podem ser direcionados para outras finalidades, como a organização de uma festa. Mas em consórcio de imóveis há uma flexibilidade de escolher entre diferentes propriedades.

Então, a carta de crédito também pode ser, empregada para quitar um financiamento existente. Mas o uso dos recursos só é autorizado pela administradora após a contemplação, normalmente dentro de 3 dias úteis, e pode ocorrer até a última assembleia do grupo.

Deseja fazer uma simulação de consórcio? Clique AQUI para fazer.

Parte II

Então o valor é ajustado conforme os rendimentos da aplicação financeira do fundo comum, até um dia antes da utilização. Porque até 10% do valor pode ser direcionado para despesas relacionadas à aquisição, como impostos, registros, e seguros.

Como já abordamos acima, em caso de imóveis o contemplado pode usar recursos pessoais como FGTS.

Então, se optar por um item de valor menor, o crédito remanescente pode ser utilizado para abater o saldo devedor até o mesmo receber a diferença do dinheiro, desde que se cumpram com certas condições.

A conversão do crédito em dinheiro é possível, apenas 180 dias após a contemplação, mediante o pagamento de todas as obrigações pendentes.

Então, para utilizar a carta de crédito enquanto ainda existem parcelas a pagar, é necessário fornecer garantias, semelhantes a um financiamento, para proteger o grupo em caso de inadimplência do contemplado.

Mas nesse caso o próprio bem adquirido é usado como garantia. Então, exemplo um veículo permanece alienado à administradora, até que o contemplado liquide o saldo devedor, o mesmo ocorre com financiamentos.

No setor imobiliário, é possível oferecer como garantia o imóvel diferente daquele do consórcio, e em serviços, o participante pode apresentar um bem ou um fiador como garantia.

Então outras garantias complementários podem ser requeridas conforme as circunstâncias.

Como funciona um consórcio: vantagens e desvantagens

Umas das vantagens notáveis dos consórcios é sua ausência de necessidade de entrada inicial. Então isso significa que não é preciso de entrada com um montante inicial de dinheiro, conforme comum em financiamentos.

O curso total do bem ou serviço é distribuído de forma equitativa ao longo das parcelas mensais. Mas até o momento da contemplação, não é requirido que se apresentem garantias, simplificando o processo de adesão.

Portanto, em um consórcio que já está em andamento, existe obrigatoriedade de assumir as parcelas já pagas ou adquirir uma cota existente.

Os prazos dos consórcios variam consideravelmente e, em alguns casos, podem ser mais extensos do que os prazos oferecidos em outras opções de compra.

Então os custos associados ao consórcio podem ser mais baixos quando comparados a um financiamento.

A grande vantagem do consórcio é que ele e auditado por órgãos públicos, como Banco Central. Então ele permite a alocação gradual de capital dentro das possibilidades do orçamento, tem um prazo fixo, embora a antecipação seja uma opção, e apresenta risco baixo.

Por outro lado, entre as desvantagens, está o fato de que o consorciado não obtém o bem imediatamente ao ingressar no grupo e depende da sorte no sorteio ou da disponibilidade de recursos para oferecer lances.

Consórcios sofre reajustes?

Como funciona um consórcio? O consórcio sofre ajustes? Sim, tanto o valor da carta de crédito quanto as parcelas do consórcio são atualizados de acordo com o índice especificado no contrato.

No caso de veículos, a correção é baseada na tabela do fabricante e também acompanha o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). No caso de imóveis, o índice utilizado para o reajuste anual das parcelas é o INCC (Índice Nacional de Custo da Construção).

Tipos de consórcio mais selecionados

  1. Consórcios de veículos são os mais predominantes, representando 83% dos quase 8 milhões de contratos existentes no país, de acordo com dados da Abac, totalizando cerca de 6,6 milhões de contratos. Esse grupo engloba diversos tipos de veículos, como automóveis de passeio, veículos comerciais, máquinas agrícolas, motocicletas e outros.
  2. Em segundo lugar, temos os consórcios de imóveis, que ultrapassam a marca de 1 milhão de contratos.
  3. Na terceira posição, encontram-se os consórcios de serviços, com 183 mil contratos.
  4. Por fim, os consórcios de eletroeletrônicos contabilizam 128 mil contratos.

Custos de um consórcio quais são

Como funciona um consórcio: além das parcelas para aquisição do bem ou serviço no consórcio, é comum a incidência de taxa de administração. Pode haver também contribuições para um fundo de reserva e seguro, se previstos no contrato.

  • Taxa de Administração: Essa taxa é calculada com base no valor total do bem ou serviço, dividida pelo prazo do consórcio e diluída nas parcelas.
  • Fundo de Reserva: Serve para situações como cobertura de insuficiência de recursos no fundo comum, pagamento de prêmio de seguro por inadimplência de contemplados, despesas bancárias, custas legais, e contemplações por sorteio.
  • Seguro: Pode incluir apólices para quebra de garantia, seguro prestamista em caso de morte, e seguro desemprego para cobrir parcelas em caso de perda de emprego.

Como funciona um consórcio: e uma forma de crédito?

O consórcio é frequentemente descrito como uma modalidade de “autofinanciamento”. Nesse sistema, todos os participantes contribuem com pagamentos regulares ao longo de um período determinado, visando que todos possam eventualmente acessar o crédito.

No consórcio, o participante inicia os pagamentos com a expectativa de ser contemplado em algum momento futuro, seja por sorteio ou por meio de um lance.

Como fazer um consórcio?

  1. Pesquise a Administradora:
  • Certifique-se de que a administradora possui autorização do Banco Central, o que garante sua confiabilidade.
  • Verifique a reputação da administradora na internet e nos órgãos de proteção ao consumidor, como o Procon.

2. Leia o Contrato com Atenção:

  • Analise detalhadamente o contrato, que deve ser claro e objetivo.
  • Avalie as taxas do consórcio, índices de reajuste, valor da carta de crédito, parcelas, fundo de reserva, seguro, prazo de pagamento, e outras cláusulas relevantes.

3. Considere o Valor das Parcelas:

  • Verifique se o valor das parcelas é compatível com sua renda mensal, idealmente não comprometendo mais de 30% dessa renda.
  • Esteja atento aos índices de reajuste para garantir que as parcelas permaneçam dentro desse limite.

4. Outros Cuidados Importantes:

  • Avalie o prazo do consórcio, o funcionamento dos lances e as formas de contemplação, garantindo que tudo esteja registrado no contrato.
  • Para ingressar no grupo, é possível ter restrições no nome, mas para receber a carta de crédito, é necessário que seu nome esteja limpo.
  • Se não desejar usar a carta de crédito, é possível receber o valor em espécie após a quitação da cota e um período de carência.

Como funciona um consórcio conclusão

Como funciona um consórcio: Em resumo, o consórcio é uma modalidade de autofinanciamento em que um grupo de pessoas se une para contribuir mensalmente e adquirir bens ou serviços desejados.

A contemplação, que permite ao participante utilizar a carta de crédito, ocorre por sorteio ou lance.

A escolha de um consórcio adequado requer pesquisa, leitura minuciosa do contrato e consideração cuidadosa das parcelas e reajustes.

Fale com uma especialista para contratar um consórcio clicando AQUI.

Gostou do artigo? Compartilhe ele em suas mídias sócias, grupos de WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *